Manutenções

Desde o início de julho eu decidi, por pura vontade de aperfeiçoar as ferramentas que uso e entro em contato com você, tirar meu site do ar e começar outro novo em folha do zero. Desde lá estamos em terreiro de obras.

Sabe quando a casa fica cheia de pintores, pedreiros e mestres de obra quebrando as paredes, pintando o teto, trocando as cortinas e decorando os espaços?

É mais ou menos como estamos por aqui no meu site.

Caso você não tenha ainda prestado atenção.
Mudamos de genramos.com para geanramos.wordpress.com

E nos últimos dias me transformei em pintor, decorador, pedreiro e quebrador de paredes. Uma jornada de muita construção de um espaço que celebra o nosso encontro em torno de conteúdos valiosos para nossa realização em todas as áreas de nossa vida.

E se o meu objetivo é trazer as ferramentas para a sua realização, que seja num espaço de muito aconchego, interação, construção de conteúdos. Assim você vai ter mais facilidade ainda de acessar todas as coisas importantes para seu desenvolvimento.

Aqui você vai encontrar:

  • artigos sobre realização pessoal, financeira, emocional, intelectual, física e nos relacionamentos
  • vídeos para transformar sua mentalidade e seu modo de enxergar a vida
  • webinários para você participar pela internet
  • e-books gratuitos para se encher de conhecimento
  • ferramentas para ir além

Períodos de mudança são sempre muito bem-vindos.

As mudanças fazem a gente jogar fora o que não precisamos mais, remexer em velhas gavetas, compartilhar achados preciosos e limpar as poeiras. Adoro mudanças e sei que ela sempre nos traz coisas boas.

Nesse momento, vamos ter que tomar café numa mesa improvisada na varanda do site, mas ainda assim viveremos bons momentos juntos.

Abraços, Gean Ramos

 

Entre um café e outro

cafeNão se pode dizer que é um acontecimento recente, mas é fato que acontece com muito mais intensidade e frequência no momento em que vivemos. O apreço por coisas materiais vem crescendo e tornando-se parte de nossas vidas. O problema é quando passamos a nos importar mais com objetos do que com pessoas.

As pessoas descartam umas às outras como se fossem uma agenda do ano passado, enquanto não conseguem se desfazer de objetos inúteis. Perder um celular é, muitas vezes, mais doloroso e sofrível do que perder um amigo ou parente. Uma pequena discussão ou desentendimento é suficiente para descartar alguém.

Uma pessoa alfabetizada conhece, no mínimo, 10.000 palavras e, mesmo assim, desentendimentos verbais acontecem. O que não é um problema, pois é um comportamento natural do ser humano. O que não é normal é utilizar isso para deixar alguém de lado permanentemente.

Estamos tão acostumados com as tecnologias nos meios de comunicação, que muitas vezes esquecemos como a presença de alguém é tão mais acolhedora do que um sms. Ouvir a voz de alguém, olhar nos olhos e reconhecer suas expressões e reações imediatamente deveria ser suficiente para resolver qualquer desavença.

Vamos largar nossas armas e escudos por um momento e sair para tomar um café. Sentar um enfrente ao outro por uma hora, talvez mais, o tempo que for necessário. E apenas conversar. Utilizar todas as palavras necessárias para que possamos deixar de lado todos os desentendimentos que tivemos. Não há pressa, podemos fazer isso várias vezes, até que não haja mais nada a ser dito.

Entre um café e outro, pode ser que a gente encontre um motivo para manter-se em contato. Entre um café e outro, podemos encontrar motivos para tomar outro café na semana que vem.

Não custava nada este exemplo virar hábito nos jogos

Torcedores japoneses recolhem lixo depois de jogo

A foto acima vem sendo retuitada porque mostra um comportamento que deveria ser padrão entre todos que acompanham a Copa 2014 nos estádios.

O Japão pode ter perdido em campo, mas fora de campo a sua torcida deu um show.Não custa nada este hábito

Japoneses limparam a sujeira do estádio. Eu levo bandeja para lixo no shopping e me chamam de otário porque “tem gente que é paga pra limpar”.

Os torcedores japoneses que assistiram à derrota da sua equipe por 2 a 1 para a Costa do Marfim, neste sábado, na Arena Pernambuco, deram um exemplo de civilidade após o término da partida.

Em Tóquio, capital do Japão, não existem muitas lixeiras nas ruas, mesmo assim, a cidade é considerada uma das mais limpas do mundo.

Os cidadãos japoneses têm o costume de carregarem sacos plásticos para colocar seus lixos dentro, que só são descartados quando encontram um a lata de lixo, que podem ser encontradas em frente a supermercados e lojas de conveniência.

A gente surpreso porque os japoneses catam o próprio lixo do chão e os japoneses surpresos por a gente estar surpreso. #PodeIssoArnaldo

Amor e loucura – Tinham coisas que simplesmente eram inacreditáveis

Dia dos namorados - Amor

Nós tínhamos um sonho. Tudo era lindo. Mágico. Sininhos tocavam quando dois lábios de encostavam naquelas tardes e noites de verão.

O nosso sonho virou só meu. E como dizem: quando se sonha junto é realidade e quando se sonha sozinho é loucura. Infelizmente, o nosso sonho virou loucura.

Aos poucos tudo começou a ficar preto e branco. Cada coisa começou a esmaecer. Como um câncer, a negatividade corroeu e a podridão tomou conta.

Entre cada grito, cada eco e alfinetada, cada promessa, sempre existia a vontade de expor. Tinham coisas que simplesmente eram inacreditáveis. Era necessária a opinião alheia pra ter certeza mesmo que o sonho já era loucura.

Hoje, entre belos caracteres, entre uma fonte, um alinhamento, um parágrafo e uma margem, tudo se torna bem mais simples.

É a melhor maneira de esquecer que um dia, quebrei todos os dentes, arranquei todas as minhas unhas, perdi todo meu cabelo e meu coração parou de bater por vários momentos.

Lutei. Tive força. Peguei muitas emprestadas, através de uma palavra amiga ou de uma simples oração. E o sonho foi se tornando cada vez mais distante. Cada vez mais insano.

Não levei o Criolo a sério. Não precisava sofrer pra saber o que era melhor pra mim mesmo. O problema é que era um sonho. E eu não desisto assim tão fácil.

Fica a lição. Fica o aprendizado. Aprendi que pra amar e ser amado, é preciso muita sensibilidade. De segurança, de parceria e especialmente de humildade. A arrogância é o caminho perfeito para a solidão.

O amor é bem clichê mesmo. É aquela borboleta rara que pousa no seu jardim vez ou outra. E a insistência exagerada faz ela desaparecer. A pressa sempre a afugentará.

Mas fico contente de saber que a mãe natureza, a criatura mais esperta de todas, convenhamos, já contribui pra solucionar isso. O mundo dá inúmeras voltas. Logo é outono. Logo é inverno. E felizmente será primavera novamente. Vou escolher minhas sementes, preparar o terreno e esperar. Esperar até o momento certo. Até que uma nova borboleta rara pouse novamente.

Projeto 365 dias – #0

Você lembra como foram todos os dias do último ano? Lembra da data exata daquele acontecimento que marcou um pouco a sua vida? Confessa vai, a maioria das pessoas mal sabe o que comeu no almoço de ontem, e isso sempre me deu uma agonia, uma sensação de que deixamos muito facilmente o nosso dia-a-dia passar em branco. Nosso cérebro tem toda essa personalidade mesmo: só aceita se lembrar de coisas muito importantes, mas fala sério, de vez em quando não dá uma vontade de saber o que a gente fez de bom naquele tal dia do tal mês?

O Projeto 365 surgiu há anos atrás com o objetivo de fazer as pessoas se lembrarem de suas rotinas através de uma única foto por dia, de preferência retratando o evento mais marcante daquelas 24 horas. Com o tempo, os adeptos foram fazendo pequenas modificações e hoje existem projetos parecidos com os mais variados temas: fotos apenas dos pés, de pratos no horário do almoço, cafés da manhã, cabelos, e até do clima.

Projeto 365 dias

Noukka SignePaula DanielseJulian BialowasEvelyn Louise

E quando não restar nada além de monotonia para fotografar? Tem dias que são assim mesmo, não rola absolutamente nada de interessante, chega a dar preguiça. Acho que esse é um dos principais motivos para as pessoas desistirem do projeto logo nos primeiros dias, além da falta de tempo, é claro, que deve estar no primeiro lugar das razões. Nesses casos, acho que meu conselho é: faça da obrigação de tirar a foto para o projeto o acontecimento marcante do dia! Coloque a criatividade para trabalhar e monte idéias na sua imaginação, idéias que não precisam seguir regras e nem estar no contexto de nada. Se você quiser vestir uma toalha vermelha como se fosse uma capa de super-herói e fazer um autorretrato, vá em frente. Se quiser ficar horas picando papel colorido e fotografar uma criança jogando-os para cima ao ar livre, por que não?

Com a foto do dia em mãos, você vai escolher onde postar. A maioria das pessoas hoje usa o Flickr para divulgar o projeto, inclusive postam as fotos em grupos como o Project_365, o Project 365 e o 365 Days (esse último mais focado nos autorretratos). Tumblr, Blogger e WordPress também são boas escolhas, basta escolher um tema bonito e minimalista que dê atenção apenas às fotos e fica tudo perfeito! Pra quem procura algo totalmente dedicado ao projeto, existe o site 365 Project e um aplicativo para iPhone, muito bom pra quem tem menos tempo ainda e quer fazer tudo rapidinho, ali no celular mesmo.

Projeto 365 dias

Larissa CoutinhoMelina SouzaEmma AttardAndrew Gowen

E pra quem pensa que só vale aderir ao projeto no início do ano, vamos deixar disso, pessoas! Dá pra começar amanhã se você quiser, o importante é que você só termine no mesmo dia do ano que vem. Eu fico muito animado a começar quando penso no assunto, quem sabe eu não coloco em prática? Quando isso acontecer, eu compartilho com vocês e convido a fazer comigo!

Um guerreiro sempre é um caçador

o guerreiro arn

Transcrevo aqui mais um texto de Carlos Castaneda: filósofo que teve grande importância na minha vida – e faço questão de relembrá-lo em meus textos.

Um guerreiro sempre é um caçador.
Ele calcula tudo e age, depois de refletir bem o que deve fazer.
Ninguém consegue obrigá-lo a fazer coisas que não deseja.
Ele vive porque age, e não porque pensa que age.
Como sabe que está neste mundo apenas por um breve período de tempo, ele procura conhecer todas as maravilhas possíveis.
Fala pouco, jamais se preocupa com o medo, e assume as responsabilidades de seus atos.

O amor é uma força selvagem.

amor forca selvagem

O amor é uma força selvagem. Quando tentamos controlá-lo, ele nos destrói. Quando tentamos aprisioná-lo, ele nos escraviza. Quando tentamos entendê-lo, ele nos deixa perdidos e confusos. Esta força está na Terra para nos dar alegria, para nos aproximar de Deus e do nosso próximo: e mesmo assim, da maneira que amamos hoje, temos uma hora de angústia para cada minuto de paz. O sofrimento nasce quando esperamos que os outros nos amem da maneira que imaginamos, e não da maneira com que o amor deve se manifestar – livre, sem controle, nos guiando com sua força, nos impedindo de parar. Concluindo com uma frase do jesuíta Teillard de Chardin, o mesmo que disse que nosso mundo estava envolto por uma camada de amor: “Já dominamos a energia do vento, dos mares, do sol. Mas no dia em que o homem souber dominar a energia do amor, será algo tão importante como a descoberta do fogo.”